GIMP - Editor de Imagens

De Cartola

Fotografia e Vídeo > GIMP - Editor de Imagens

Este material está em constante evolução. Caso não encontre o que procura aqui ou tenha outras dúvidas ou críticas entre em contato pelo email

Tabela de conteúdo

Pré-requisitos

Sugiro que pra seguir esse tutorial você tenha os seguintes pré-requisitos:

  • Conhecimento de arquivos e pastas/diretórios no computador
  • Conhecimento de janelas: janela ativa, inativa, mover, maximizar, etc
  • Habilidade com o mouse
  • Habilidade de uso de teclado conjugado com o mouse
  • Uso de teclas de atalho e teclas combinadas (Ctrl, Alt, Shift, etc)

Introdução

O GIMP, sigla de GNU Image Manipulation Program, é tido como a alternativa gratuita ao Photoshop, possivelmente o mais conhecido editor de imagens comercial. Com ele é possível fazer muitos tipos de manipulação e criação de imagens. Vou colocar aqui alguns exemplos de uso. Essa página possivelmente estará em constante evolução.

O GIMP é um programa multi-plataforma, ou seja, pode ser usado em computadores com os mais diversos sistemas operacionais, como Windows, Linux, FreeBSD, Mac OS X e outros. O site oficial é o www.gimp.org. Especificamente para o Windows eu costumo recomendar a versão portátil (Portable) do GIMP.

A aparência do GIMP é um pouco diferente de outros programas pelo fato dele utilizar janelas separadas. Ao abri-lo ele trará uma janela principal, como na Figure 5, e, na maioria dos casos, mais uma ou duas janelas mostradas na Figure 6 e Figure 7.

Figure 5: Janela principal do GIMP, sem qualquer imagem aberta

As demais janelas que se abrirão dependem tanto da versão do GIMP que você instalou como das últimas janelas que você usou, no caso de não ser a primeira vez que você usa. Abaixo duas janelas importantes:

Figure 6: Janela de ferremantas do GIMP
Figure 7: Janela de camadas do GIMP

Veja que na janela da Figure 7 há na verdade 4 janelas agregadas e elas ficam separadas em abas.

A tecla TAB é muito útil para mostrar e esconder essas janelas extras. Com a janela principal ativa, se você usa a tecla TAB as janelas auxiliares aparecem e somem alternadamente a cada apertada. Experimente.

Esconder as janelas auxiliares é bom para nos dar mais espaço para trabalhar. Se você começar a memorizar as teclas de atalho que chamam as ferramentas e executam as ações pode cada vez mais dispensar essas janelas. A partir do GIMP 2.8 é possível ainda alternar entre os modos de trabalho de janelas separadas ou unificar as janelas numa única, como muitos talvez prefiram.

Idioma

Verifique no menu Editar / Preferências se o idioma do seu GIMP está corretamente definido. Algumas vezes quando configurado para usar o idioma do sistema o GIMP acaba por usar Português de Portugal. Verifique se o primeiro menu do GIMP é "Arquivo" ou "Ficheiro" e se estiver "Ficheiro" selecione explicitamente PT_BR no idioma.

Esse passo é relevante também para seguir os tutoriais aqui, que se baseiam na tradução para PT_BR e não PT. Ainda assim é possível que a tradução de alguns itens apareça diferente, pois a tradução pode mudar de uma versão para outra da ferramenta. É a evolução!

Modos de imagem

É importante conhecer os modos de imagem que existem, pois isso pode influenciar no seu trabalho. Esses modos estão diretamente relacionados aos formatos arquivos digitais e em como a informação é armazenada neles. Existem três modos no GIMP:

  • RGB
  • Indexado
  • Tons de cinza

O modo RGB é o mais flexível. Com ele você poderá executar todas as operações satisfatoriamente na imagem, pois ele tem capacidade de lidar com inúmeras cores para cada pixel. Arquivos JPG usam esse formato.

O modo Indexado permite trabalhar com cores, mas ele usa um número de cores reduzido. Esse nome vem da tabela de cores que o arquivo usa. Ele não trabalha com tantas cores quanto o RGB. O arquivo armazena uma tabela de até 256 cores e cada ponto da imagem usa uma dessas cores. Arquivos do tipo GIF usam esse formato.

Tons de cinza são bons para trabalhar exclusivamente no preto e branco, já que nesse formato não conseguiremos colocar cores na imagem. A vantagem é que o arquivo ficará menor no computador, pois não é necessário ter a possibilidade de guardar milhões de cores para cada ponto da imagem. Se for trabalhar só com preto e branco numa imagem pode ser adequado, portanto, escolher esse modo.

A qualquer momento é possível alterar o modo da imagem aberta no GIMP, basta ir no menu "Imagem / Modo" e escolher outro tipo. Ali você pode também verificar que tipo está em uso e talvez descobrir por que certo efeito não está funcionando como esperado.

Pixel

Já que comecei a falar dos pontos da imagem, podemos introduzir o termo pixel, que nada mais é do que um ponto. Uma imagem digital é composta por pontos quadrados colocados lado a lado. Cada um desses pontos é um pixel. Uma imagem com 1600 pixels por 1200 pixels, por exemplo, tem ao todo 1.600 x 1.200 = 1.920.000 pixels. Uma câmera que faz imagens desse tamanho é dita uma câmera de 2 megapixels, já que suas imagens tem aproximadamente 2 milhões de pixels. Agora você já sabe que uma câmera de 10 megapixels produz imagens com aproximadamente 10 milhões de pontos.

A noção de que quanto mais megapixels melhor tem alguma razão de ser, mas depende de sua necessidade. Uma revelação, por exemplo, não possui mais do que 300 pontos por polegada. Não adianta muito a imagem ter mais do que isso. Pra uma foto 10x15, por exemplo, 2 megapixels são suficientes. Vamos precisar de mais pixels a medida que queiramos revelações maiores. Lembre-se que com mais megapixels você pode também ter a possibilidade de cortar um pedaço da foto e ainda ter qualidade para sua impressão ou revelação.

Na Figure 8 uma visão muito aproximada de uma foto, com um zoom de 2.300%, mostrando claramente os pixels quadrados.

Figure 8: Pixels num zoom de 2.300%

Glossário de teclas de atalho

Vou reunir aqui aos poucos os atalhos de teclado que mais uso e que podem ser úteis para agilizar o trabalho com o GIMP.

TAB
quando usado na janela principal do GIMP faz as janelas de diálogo adicionais sumirem ou aparecerem
Ctrl + roda do mouse
quando usado na imagem aberta na janela principal aproxima ou afasta a imagem
Ctrl + Shift + roda do mouse
vai alternando entre os pinceis ativos nas ferramentas que usam pincéis
Botão do meio do mouse
clique e arraste para mover a imagem
Ctrl + c
copia a seleção
Ctrl + v
cola na imagem o que foi copiado antes
Ctrl + s
salva a imagem

Além desses atalhos você pode observar atalhos posicionando o mouse sobre cada ferramenta na janela de ferramentas do GIMP. Nos menus da ferramenta, ao lado de cada opção que possui um atalho é possível também aprendê-los.

Atalhos dinâmicos

O GIMP possui uma funcionalidade sensacional que nunca vi em outra ferramenta: atalhos dinâmicos. Mas que diabos é isso? A qualquer momento, com o mouse sobre uma opção de menu, você pode simplesmente apertar uma tecla ou combinação de teclas no teclado e associar isso àquela opção de menu.

Em versões mais recentes do GIMP isso não vem ativado por padrão, sendo necessário habilitar. É que isso pode também causar a perda de um atalho conhecido, fazendo uma confusão danada. No momento que você atribui um atalho para uma função este atalho, se era associado a outra coisa, deixa de ser, passando a executar a nova ação. Em outras palavras: tenha cuidado e tente atribuir coisas que você sabe que não são usadas ou que você não usa.

Uma dica para não usar um atalho já usado: teste o que pretende usar como atalho antes de atribuir. Ao testar, cuidado, pois alguns atalhos podem só funcionar em algumas situações. Procure executá-los com uma imagem aberta e uma seleção feita. Mesmo assim você pode não conseguir testar de fato, por exemplo, o atalho Ctrl+F repete o último filtro usado. Se você não usou nenhum ele não fará nada.

Para ativar os atalhos dinâmicos:

  • vá no menu "Editar / Preferências" e uma janela de preferências se abrirá,
  • mude para a aba "Interface",
  • marque a opção "Utilizar atalhos de teclado dinâmicos"
Ativando definição de atalhos de teclado dinâmicos nas opções de Interface das Preferências

Ativados os atalhos dinâmicos você pode começar a atribuir seus próprios atalhos.

Notas da Versão 2.8

Janelas
a partir da versão 2.8 o GIMP trouxe uma funcionalidade há muito desejada por alguns usuários. Ele permite a disposição tanto em janelas separadas, que foi o comportamento padrão do GIMP até então, quanto em uma única janela. Para alternar entre esses dois modos de visualização use o menu "Janelas / Modo de janela única".
Salvando arquivos
Na versão 2.8 o gimp alterou a maneira de salvar arquivos. Agora salvar significa salvar no formato nativo do GIMP, ou seja, em xcf. Nesse formato todas as informações de manipulação da imagem, como seleções, vetores, layers, etc, serão salvos e poderão continuar a ser usados num uso posterior da ferramenta. Para salvar em outros formatos, como JPG, TIF, PNG, etc, é necessário agora "Exportar" o arquivo, o que pode ser feito com a tecla de atalho Ctrl + e. É possível ainda "Exportar como" para salvar em outro arquivo de imagem. Isso pode ser feito com o atalho Ctrl + Shift + e.
Nova ferramenta - transformação com gaiola
essa ferramenta é um dos destaques dessa versão. Permite selecionar uma área e distorcê-la a partir dos vértices da seleção. Não é necessário selecionar previamente, a seleção a ser distorcida deve ser feita pela própria ferramenta. O atalho para acessá-la é o Shift+g.

Remoção de olhos vermelhos

Já mostrei a remoção de olhos vermelhos com o XnView, que é um programa mais simples. Aqui no GIMP este efeito fica no conjunto de filtros oferecidos pela ferramenta.

  • Abra o GIMP
  • Abra a imagem no GIMP
    • Vá no menu "Arquivo -> Abrir"
    • Você deve saber onde está a imagem em seu computador, ir até a pasta, escolher o arquivo e dar OK
  • Enquadrando os olhos vermelhos
    • Certifique-se que a janela principal do GIMP é a que está ativa
    • Com a tecla Ctrl pressionada rode a roda do mouse para aproximar e enquadrar melhor nos olhos vermelhos
    • Se necessário mova a imagem clicando e arrastando com o botão do meio do mouse
  • Selecionando os olhos vermelhos
    • Vamos usar aqui a seleção elíptica
    • Na janela de ferramentas selecione a seleção elíptica (figura abaixo) ou use o atalho 'e' no teclado
Seleção elíptica
  • Seleção do primeiro olho (você pode tentar também selecionar os dois de uma vez, fazendo uma única seleção)
    • Pense como se você fosse fazer um retângulo marcando o canto superior esquerdo e o inferior direito
      Cantos para seleção elíptica
    • Clique no imaginário canto superior esquerdo e, com o botão mouse apertado, arraste até o canto inferior direito
    • Só então solte o botão do mouse
    • A seleção fica marcada com uma linha pontilhada e é possível ajustá-la no retângulo que fica marcado, como na figura abaixo
Seleção elíptica feita
  • Selecionando o outro olho
    • Se você fizer simplesmente a mesma coisa no outro olho a seleção anterior será desfeita
    • Com a tecla Shift pressionada clique e arraste para fazer a seleção sobre o outro olho
    • A tecla Shift fará com que a próxima seleção seja adicionada à anterior
    • A seleção final é mostrada na figura abaixo
Olhos selecionados
  • Vá ao menu "Filtros -> Realçar -> Remoção de olho vermelho..." e uma janela se abrirá
Janela do filtro de olhos vermelhos
  • Na janela é possível regular a intensidade do efeito aplicado (limite), mas em geral o padrão está bom
  • Clique em OK quando achar que o resultado está bom
  • Remova a seleção para ver melhor o resultado
    • Vá no menu "Seleção -> Nada" ou use o atalho de teclado Shift+Ctrl+A
Resultado final com zoom
  • Encaixe a imagem na janela para uma visão mais ampla indo no menu "Visualizar -> Zoom -> Ajustar imagem na janela"
Resultado final
  • Basta agora salvar o arquivo indo no menu "Arquivo -> Salvar" ou com o atalho de teclado Ctrl+S

Notas:

  • Em uma situação mais simples você pode usar a seleção retangular e selecionar os dois olhos de uma vez
Selecão retangular de dois olhos
  • Tente observar se a aplicação do efeito não vai deixar outras áreas escuras, além dos olhos
  • Se isso acontecer diminua a área selecionada, como no exemplo inicial das seleções elípticas

Cortando uma imagem

Parte da arte de fotografar está no enquadramento. Muitas vezes ao clicar a foto não ficou enquadrada exatamente como queríamos. Podemos então experimentar novos enquadramentos a partir do corte da imagem. Esse é apenas um dos exemplos comuns para o que podemos cortar uma imagem.

Uma das maneiras mais práticas de cortar uma imagem no GIMP é usando a seleção retangular.

  • escolha a ferramenta de seleção retangular:
    • na janela de ferramentas,
    • ou no menu "Ferramentas / Ferramentas de seleção / Seleção retangular",
    • ou com a tecla de atalho 'r'.
  • selecione na imagem a área que quer que permaneça na foto:
    • clique com o botão esquerdo num canto, por exemplo, o canto superior esquerdo da área que quer selecionar,
    • arraste o mouse com o botão clicado até o canto oposto do retângulo que quer criar,
    • solte o botão do mouse e a seleção está feita.
  • ao terminar de fazer a seleção é possível ajustar a posição de suas laterais clicando e arrastando com o mouse,
  • quando estiver satisfeito vá no menu "Imagem / Cortar para a seleção" e sua imagem será cortada.

Se ao cortar efetivamente não estiver satisfeito com o resultado basta desfazer a ação:

  • no menu "Editar / Desfazer",
  • ou com as teclas de atalho Ctrl+z

Pode então desfazer a seleção:

  • no menu "Selecionar / Nada",
  • ou com as teclas de atalho Ctrl+Shift+a

E depois repetir o processo para uma nova seleção e um novo corte.

Redimensionando uma imagem

Muitas vezes precisamos mudar o tamanho de uma imagem. A necessidade mais comum é a de diminuir seu tamanho. Um exemplo de situação em que isso é necessário é o caso do upload de imagens para sites com limite de tamanho de arquivo. Felizmente é muito simples fazer isso:

  • Com a imagem aberta no GIMP vá ao menu "Imagem / Escalar imagem" (ou em algumas versões "Redimensionar imagem")
  • Uma nova janela se abre. Nela você pode definir o novo tamanho desejado
  • Quando terminar de definir, de OK e pronto, basta salvar o arquivo ou, se preferir manter o original, use "salvar como"

Cores

Brilho e contraste com curvas de nível

No menu "Cores" é possível acessar várias funções referentes ao ajuste de cores, inclusive a função "Brilho e Contraste", como podemos ver na figura abaixo. Essa, porém, não é a melhor opção para o ajuste da luminosidade de sua imagem. Eu prefiro em geral usar as "Curvas...", disponíveis no mesmo menu.

Menu "Cores" do GIMP 2.8

Ao selecionarmos a opção "Curvas..." o programa abre outra janela para que façamos os ajustes desejados.

Janela de ajuste por curvas

Ao abrir a janela de curvas mostra uma linha diagonal reta. Nela devemos clicar e arrastar e a medida que arrastamos este ponto podemos ver as alterações nas imagens. As dicas para arrastar esse ponto são as seguintes:

  • clique inicialmente próximo ao centro da linha,
  • arrastando para cima (sentido 1) a imagem vai ficar mais clara,
  • arrastando para baixo (sentido 2) a imagem vai ficar mais escura,
  • ao clarear:
    • quando mais para a direita (sentido 3), mais contraste a imagem terá,
    • quanto mais para a esquerda (sentido 4) menos contraste a imagem terá,
  • ao escurecer:
    • quando mais para a direita (sentido 5), menos contraste a imagem terá,
    • quanto mais para a esquerda (sentido 6) mais contraste a imagem terá,
Sentidos possíveis para arrastar a curva

Pra dar um exemplo, a curva mostrada na figura abaixo vai clarear um pouco a imagem, mantendo um bom contraste, ou seja, sem esbranquiçar muito.

Clareando a imagem com contraste

Caso você não tenha ficado satisfeito com o ajuste atual, pode clicar em "Restaurar" a a curva voltará a ser a reta inicial, permitindo que seja feito um novo ajuste.

Se desistir de fato é só fechar a janela.

Para fazer valer o ajuste é preciso clicar no botão "OK".

A seguir podemos ver um exemplo prático de uma imagem clareada com curvas:

Imagem original escura
Imagem clareada com curvas
Curva usada no clareamento acima

Pra finalizar ofereço um arquivo de uma imagem fotografada propositadamente muito escura e proponho o exercício de tentar clarear essa foto, recuperando-a. Abaixo está o arquivo:

Imagem escura para download

Ajuste de cores / Balanço de branco

O Balanço de Branco é um conceito importante na fotografia e muitas máquinas fotográficas permitem o ajuste dessa característica nas fotos. O correto ajuste do balanço de branco tem como objetivo, simplificando o assunto, fazer com que as cores fiquem como você quer. É mexendo nele que você pode, por exemplo, deixar uma imagem mais azulada, mais amarelada ou com as cores mais reais. Além e poder ajustar isso na máquina, o que não é nosso objetivo aqui, você pode ainda manipular as cores editando uma imagem. Existem várias maneiras de fazer isso e vamos ver algumas aqui.

Ajuste automático

No menu "Cores / Automático / Equilíbrio de branco" chamamos a função do GIMP que tenta ajustar automaticamente as cores da imagem. Existem várias opções neste menu, mostradas na figura abaixo, mas não costumo usar todas.

Menu Cores / Ajustes automáticos

Essas opções as vezes funciona bem e outras não, vai depender da imagem e do que você espera. É uma questão de tentar e, se não ficar como você quer, voltar atrás. O que mais uso em geral é o "Equilíbrio de branco". Seguem alguns exemplos:

Imagem original
Imagem com equilíbrio de branco automático
Imagem equalizada automaticamente
Imagem com realce de cor automático

O "Equilíbrio de branco" automático costuma funcionar muito bem em imagens escuras que contenham alguma parte branca. Em geral quando não há partes brancas na foto o efeito costuma distorcer as cores e o resultado não é bom. Abaixo um exemplo já mostrado antes, onde clareei a foto com curvas e agora mostro também o ajuste automático de "Equilíbrio de branco" para uma comparação:

Imagem original escura
Imagem clareada com curvas
Equilíbrio de branco automático

Equilíbrio de cores

Quando queremos mudar as cores ou tons da foto, seja por que não correspondem à realidade que vimos, seja por que estão estranhas, seja por que queremos fazer um efeito artístico, podemos utilizar então o "Equilíbrio de Cores". No menu "Cores / Equilíbrio de cores" abrimos a janela da figura abaixo:

Janela de equilíbrio de cores
  • podemos usar um ajuste feito anteriormente, clicando nas "Armazenadas",
  • se quisermos salvar uma configuração com um nome específico clicamos no sinal de + azul na figura, ao lado das "Armazenadas",
  • normalmente o melhor é aplicar o efeito nos tons médios, mas você pode mudar isso e ver o que acontece,
  • em "Ajustar níveis de cor" é que a brincadeira começa,
  • para ir acompanhando os ajustes que fizer na imagem certifique-se de que a opção "Pré-visualização", lá embaixo, está marcada.

Os ajustes mesmo são muito feitos no sentimento. Você dá uma olhada pra imagem e pensa se quer ela "mais" de uma determinada cor ou "menos" de uma determinada cor. Claro que temos que pensar nas cores que são apresentadas ali na janela de ajustes. Não adianta pensar em rosa, pois não tem essa cor ali. Para deixar a imagem mais ou menos rosa teríamos que mexer no vermelho e no brilho, talvez.

Se quisermos, por exemplo, deixar uma imagem mais azulada, tirando o amarelado, podemos mexer tanto levando o primeiro botão para a direção do "ciano" quanto levando o terceiro botão para a direção do "azul".

Depois que fizer um ajuste, torne a refletir, pois pode ser que precise fazer novos ajustes pra chegar onde queria. Isso alias provavelmente vai acontecer. Na figura abaixo, por exemplo, tentei azular a imagem. Acabei mexendo também no botão do meio, tirando um pouco do verde. Em seguida a janela com o ajuste feito, -40, -20, 10 nos três respectivos botões.

Imagem original
Imagem azulada
Ajustes realizados para azular o exemplo


Saturação

Mexer na saturação de uma foto significa, simplificadamente, deixar suas cores mais fortes ou mais fracas. Se reduzirmos totalmente a saturação a foto fica preto e branca. O ajuste de saturação no GIMP é feito pelo menu "Cores / Matiz-saturação". Abaixo a janela que se abre ao clicarmos neste menu:

Janela de Matiz, Saturação e Luminosidade

Os ajustes são feitos nos botões deslizantes mais abaixo na janela. O mais usável, pelo menos nos meus casos de uso, é a saturação mesmo. Em geral não mexo em cores primárias separadamente, mexo em todas. Em geral também não uso o Matiz, que pode até ser interessante para algum efeito artístico. Minha sugestão é que se deslize a saturação aumentando ou diminuindo a intensidade das cores, de acordo com seu objetivo, e veja se é necessário ajustar um pouquinho a luminosidade. Ao final basta um "OK". Pra voltar à situação inicial use o botão "Restaurar".

Abaixo um exemplo de realce das cores e de suavização:

  • na realçada de cores usei saturação 50 e luminosidade 10, mantendo o matiz. Essa imagem saturada já contém "aberrações cromáticas", um termo conhecido para descrever esses exageros de cor,
  • na suavização usei saturação -40 e depois dei um auto equilíbrio de branco, pois achei que precisava de ajuste mas não fiquei satisfeito com o ajuste feito através da "luminosidade" na janela da saturação.
Imagem original
Imagem mais saturada
Insaturada e reajustada

Preto e Branco

Como comentei antes, podemos usar a janela de saturação para deixar uma imagem preto e branca, porém esse não é o único meio e talvez não seja o melhor. Ainda no menu de "Cores" temos a opção "Dessaturar..." que nos dá três formas diferentes de tirar a cor da imagem:

  • pela claridade,
  • pela luminosidade,
  • pela média.
Janela Dessaturar

Não é muito viável entender as diferenças dos três métodos, basicamente eles usam fórmulas diferentes para calcular os tons de cinza finais. Mais interessante é experimentar e escolher, até por que o resultado de um método vai ficar melhor de acordo com a foto original e muitas vezes não vai fazer tanta diferença. Abaixo um exemplo dos métodos aplicados a uma foto. A diferença é tão sutil que achei melhor sobrepor as imagens para mostrar melhor.

Diferentes insaturações

Existe ainda outra forma de transformar a imagem em preto e branco, que é mudando o modo da imagem. No menu "Imagem / Modo / Tons de cinza" transformamos a imagem imediatamente em preto e branco. A grande diferença é que isso muda o formato do arquivo e não nos permite mais colocar cores na imagem. A vantagem é que o arquivo assim fica menor quando o salvamos, pois guarda menos informação por pixel.

Maquiagem digital

Um tipo de uso que costuma impressionar e interessar muitas pessoas é a melhoria de rostos com essa ferramenta. Comumente chamado de maquiagem digital, isso envolve o uso de várias ferramentas em conjunto. As mais usuais seriam:

  • Ferramenta Clone
  • Ferramenta de Restauração (Healing)
  • Trabalhando com seleções: enevoar, copiar, colar, mover/girar
  • Filtro: Máscara de desaguçar
  • Ferramenta Desfocar/Deixar nítido
  • Ferramenta Borrar
  • Curvas de cores
  • Filtro: Deformação interativa

Tirando rugas com a ferramenta clone

Vamos então começar a trabalhar com um exemplo. Primeiro vamos mostrar a ferramenta clone para tirar algumas rugas ou marcas da pele. Vejam a imagem original e ao lado a imagem mexida exclusivamente com a ferramenta clone.

Image:Rosto_Velho-ori.jpg

Image:Rosto_Velho-clone.jpg

  • Abra o GIMP
  • Abra a imagem no GIMP
  • Escolha a ferramenta clone
    • Na janela de ferramentas clique no desenho de um carimbo
Selecionando a ferramenta Clone
  • Escolha um pincel redondo e enevoado
    • 1. Clique no pincel atual, ao lado da palavra "Pincel"
    • 2. Clique num dos pincéis redondos e de borda enevoada
Selecionando pincel enevoado
  • Note que há vários tamanhos de pincéis enevoados:
    • Escolher outro pincel é uma das formas de ajustar o seu tamanho. Isso te dá pouca flexibilidade.
    • Alterar a escala do pincel é outra forma de acertar seu tamanho. Isso te permite atingir limites maiores.
      Ajustando a escala de um pincel
    • Observe a bola do pincel na imagem, se ela está com um tamanho próximo do que pretende mexer
      • Por exemplo, a imagem abaixo mostra um pincel muito grande em relação às rugas
        Pincel grande demais
      • Um pincel adequado deve, na imagem que estamos usando, encobrir a ruga num sentido (horizontal na figura abaixo) e permitir que arrastemos no outro sentido (vertical na figura abaixo)
        Pincel de tamanho adequado
      • Caso necessário ajuste a escala do pincel para aumentar ou diminuir o seu tamanho
  • Após a seleção do pincel e da sua escala vamos ao uso da ferramenta
  • Definindo o ponto de origem para a clonagem
    • Com a tecla Ctrl pressionada, clique com o botão esquerdo do mouse num ponto que será a origem de cópia da imagem. Os círculos vermelhos ilustram possíveis pontos na figura abaixo
      Detalhe do uso do clone
    • Apos marcar o ponto de origem, clique e opcionalmente arraste o mouse no ponto de destino (em verde na figura acima)
    • Ao arrastar, o ponto de origem também se desloca, propiciando uniformidade na clonagem
    • Lembre-se que é sempre possível desfazer o que foi feito, seja no menu "Editar -> Desfazer", seja com Ctrl+z
  • Normalmente é bom ajustar o zoom na imagem para trabalhar mais de perto
  • Essa operação é normalmente repetida inúmeras vezes em vários pontos para casos de ajustes complexos, como o de rejuvenescimento num rosto ou restauração de fotos antigas

Notas:

  • Normalmente é difícil usar apenas uma ferramenta pra chegar a um bom resultado. O mais comum é usar o Clone, Restauração e quantas outras coisas forem necessárias pra cada acerto visualizado
  • Você não precisa arrastar no ponto destino, pode só clicar e fazer isso várias vezes
  • Lembre-se que o ponto de origem será copiado, então saber escolher a origem é importante
  • A escolha da origem deve levar em conta como você pretende arrastar. Veja na última figura acima como foram corrigidas algumas rugas na imagem. O ponto de origem foi corretamente escolhido para permitir que o mouse fosse arrastado na horizontal num caso e na vertical no outro. Com isso áreas próximas e de boa semelhança foram seguidamente copiadas ao arrastar o mouse.

Tirando sardas ou espinhas com a restauração

Para a ferramenta de restauração eu prefiro em geral usar pincéis de borda rígida. Se você tiver oportunidade de testar poderá ver que essa ferramenta também se adéqua à remoção de rugas. Pessoalmente a acho mais adequada a todos esses acertos de imperfeições na pele do que a clone.

Acho um pouco difícil explicar o que essa ferramenta faz. Ela meio que copia a textura de um ponto de origem pré-selecionado. Como no caso da clone, pode se usar clicando e arrastando. No caso de pequenos pontos no destino, como uma sarda, uma espinha ou uma ruga, esses praticamente desaparecerão.

  • Escolha a ferramenta restauração (desenho de um curativo na janela de ferramentas)
  • Na janela de ferramentas escolha um pincel redondo e de contorno rígido de tamanho adequado
  • Caso necessário ajuste a escala do pincel para aumentar ou diminuir o seu tamanho
  • Com a tecla Ctrl pressionada, clique com o botão esquerdo do mouse num ponto que será a origem de cópia da imagem
  • Apos marcar o ponto de origem, clique e opcionalmente arraste o mouse no ponto de destino
  • Normalmente é bom ajustar o zoom na imagem para trabalhar mais próximo

Abaixo um exemplo de imagem trabalhada exclusivamente com a ferramenta de restauração.

Rosto original
Rosto alterado com ferramenta restauração

Notas:

  • Pode parecer num primeiro momento que a ferramenta embassa o local de destino, mas isso só ocorre se o local de origem for embassado. Se o ponto original tiver uma textura essa tende a ser aplicada no destino, portanto escolha bem a origem e pratique o uso da ferramenta
  • Alguns locais, onde há um traço que não queremos que suma no ponto destino, como um cabelo ou uma linha de expressão, são mais desafiadores. Em geral o mais fácil é selecionar uma origem parecida com o mesmo traço e colocá-lo no meio da origem, clicando no ponto correspondente do destino.

Mudando formas com Seleções

O GIMP oferece vários meios de selecionar parte da imagem, dentre eles:

  • Seleção livre
  • Seleção elíptica
  • Seleção retangular
  • Seleção por cor próxima (contígua)
  • Seleção por cor
  • Vetores (curvas de Bézier)
  • Seleção com tesoura

Não vamos falar neste momento sobre esses vários tipos, é interessante saber que eles podem facilitar muito selecionar a parte da imagem que você deseja e cada um se adéqua melhor a situações distintas.

A redução de rugas poderia se valer de uma seleção também, mas não mostraremos isso aqui. Na linha de mostrar o funcionamento com exemplos, vamos tentar reduzir o nariz de uma pessoa numa foto. Para isso as ferramentas já vistas não seriam boas.

  • Primeiro selecionamos metade do nariz com a ferramenta de Seleção Livre na janela de ferramentas. O atalho para essa ferramenta é a letra 'f', do inglês free, que significa "livre".
  • A figura mostra uma possível seleção a ser feita para nosso fim
Nariz selecionado com seleção livre
  • Em seguida enevoamos a seleção no menu "Seleção / Enevoar". O número de pixels ideal dependerá do tamanho de sua imagem. Compare com a régua para escolher o tamanho. Na imagem abaixo desenhei duas barras vermelhas ilustrando o quanto seria bom enevoar. Comparando o espaço entre as barras e a régua podemos ver que uns 10 pixels está de bom tamanho, então foi quanto usei para enevoar a seleção.
Como saber quanto enevoar
  • O próximo passo é copiar e colar a seleção, seja pelo menu "Editar" ou com Ctrl+c e em seguida Ctrl+v
  • Temos então a seleção enevoada sobreposta à nossa imagem original
  • Basta então mover a seleção para a direita. Podemos clicar na ferramenta "Mover" ou usar o atalho de teclado "m". Com ela selecionada podemos mover a seleção tanto com o mouse quanto com as setas do teclado para uma precisão maior.
  • Em seguida basta ancorar a seleção à imagem, o que pode ser feito com Ctrl+h ou clicando com o mouse fora da seleção, onde aparece uma pequena âncora no ponteiro do mouse.
  • Nesse caso é interessante fazer a mesma coisa com a outra metade do nariz para deixar o rosto com a simetria original

O resultado pode ser visto na imagem abaixo, que está alternando o rosto original e o com o nariz reduzido a cada 3 segundos.

Comparando com o original

Notas:

  • Ao invés de mover a seleção colada, poderíamos neste caso ter rodado ela com a ferramenta de rotacionar (atalho 'r'). O ideal seria rodar com o eixo de rotação deslocado para a ponta superior da seleção mostrada. Veja que é possível deslocar o eixo de rotação para onde se quiser.
  • Poderíamos também ter usado outros tipos de seleção, bem como a combinação de seleções diferentes, adicionando aos poucos as áreas selecionadas teclando em "Shift" antes de selecionar um próximo trecho para adicioná-lo.
  • A seleção por vetores tem a vantagem de ser armazenada na janela de vetores. Se ela já não for uma aba numa das janelas auxiliares basta abri-la no menu "Janelas -> Diálogos de encaixe -> Vetores"

Mudando formas com filtro de deformação interativa

Esse filtro está mais para uma ferramenta. Ele permite que você deforme a imagem interativamente, seja ela toda ou apenas uma seleção. Eu prefiro em geral selecionar antes de usá-lo, evitando distorções em partes indesejadas.

Um dos usos mais interessantes é na mudança no rosto ou no corpo das pessoas, embora em use com certa frequência também para acertar distorções na montagem de algumas panorâmicas. Pra não ter que mostrar aqui uma foto de alguém gordinho ficando magro ou com o nariz torto sendo desentortado, preferi transformar um menino comum num fortão.

Vou ilustrar aqui como fiz parte do trabalho nessa foto.

  • Selecione a parte a ser distorcida - em geral prefiro a seleção livre
    • Deixe uma margem antes e depois da direção em que pretende distorcer a foto
    • Se as margens forem pequenas opte por enevoar a seleção antes de abrir o filtro
  • Em seguida abra o "Filtros -> Distorções -> Deformação interativa" e uma janela se abre
  • Eu costumo usar apenas o tipo "Mover", mas você pode experimentar outros
  • Regule o "Raio da deformação" de modo que a mudança ocorra de maneira uniforme
    • se o raio estiver muito pequeno você não vai conseguir crescer o braço uniformemente, vai criar pontas
    • se o raio estiver muito grande vai mover tudo de uma vez praticamente. Experimente para ajustar e clique em "Restaurar" para voltar
  • Ao terminar clique em "OK"
  • Com o raio em 40, como mostrado na figura, consegui deformar clicando em uns 3 ou 4 pontos e esticando a imagem para a direita
  • Em seguida fiz para o lado esquerdo, com outra seleção, que não englobou a camisa, evitando distorcê-la
  • Talvez eu pudesse ter selecionado de modo a deformar para os dois lados de uma vez

A seguir foram feitas sequencialmente seleções e distorções em várias partes do menino até o resultado mostrado no início. Experimente tirar uma barriguinha, afinar um rosto ou brincar com outras fotos para se ambientar com o efeito.

Criando um monstro de quatro braços

Essa brincadeira permite passar por alguns outros conceitos importantes no tratamento e manipulação de imagens, como seleções diversas e camadas. Aqui as imagens que podem ser baixadas para praticar:

Imagem 1 - com braços abaixados

Imagem 2- com braços levantados

A proposta é pegar duas fotos quase idênticas de uma pessoa, apenas com braços em posições diferentes, e criar uma pessoa, um monstro, com quatro braços.

Criação de textos para botões, menus e títulos

O GIMP pode ser usado para a criação de textos gráficos bem bacanas. Isso pode ser feito manualmente, usando todos os recursos que ele dispõe, como filtros e efeitos diversos, mas uma boa forma de começar a fazer isso é usando a criação automática.

Criando Logos Automaticamente

Pra fazer esses logos pré-definidos temos que usar o menu Arquivo / Criar / Logos. Nesse menu podemos ver vários nomes, cada um correspondente a um tipo de texto estilizado, como podemos ver na figura abaixo.

É possível encontrar pela internet as imagens que cada um desses logos vai criar. Além desses textos como criados pelo processo automático, podemos variar um pouco, pois o GIMP nos entrega, em muitos deles, as camadas separadas com cada parte da imagem. Podemos então criar variações simples apenas removendo alguma camada ou fazendo coisas simples. Vamos ver um exemplo disso:

Nota
considere a tradução em PT_BR na versão 2.8 do GIMP
  • Com o GIMP sem qualquer imagem aberta vá ao menu Arquivo / Criar / Logos / Cromagem EdA, como mostrado na figura abaixo
Menu para criar logo "Cromagem EdA"
  • Em seguida se abre uma janela que permite algumas configurações no logo
Janela de configuração da criação do logo
  • Você pode, por exemplo, escolher a fonte e seu tamanho. Para este logo fontes mais largas se adequam melhor, para aparecer melhor o efeito metálico
  • Depois de tudo escolhido basta dar OK e a imagem é criada, como no exemplo mostrado abaixo:
Logo "Cromagem EdA": resultado padrão
  • Mexendo com as camadas podemos alterar um pouco. Muitos dos logos criados por este meio automatizado nos permitem essa manipulação. Apagando a camada superior, por exemplo, deixamos o logo dourado, como na figura abaixo:
Logo "Cromagem EdA": resultado eliminando uma das camadas, dando efeito dourado
  • Estendendo a manipulação, apagando o fundo e cortando a imagem ajustamos o logo de outra forma:
Logo "Cromagem EdA": resultado eliminando fundo e cortando

Criando Botões Automaticamente

Assim como logos, podemos criar alguns botões padrão automaticamente. Isso é feito no menu Arquivos / Criar / Botões.

Referências Externas

Ferramentas pessoais
Anúncio